Você está aqui: Home > Alimentação > Obesidade no Brasil

Obesidade no Brasil

É fato…nosso Brasil, conhecido mundo afora pelas belezas tropicais (corpitchos violão dourados do sol, as melhores frutas tropicais), logo ficará a par com os EUA: país dos gordinhos do Mac!

Não quero dizer que o MacDonald’s é o responsável pela obesidade de qualquer um, só uso porque a empresa é o marco na história de fast foods que mais lucrou com a “fome” ou “vontade” de muitos. E que para esses muitos, gerou ganho de peso.

Bom, as musas brasileiras então, estão realmente mais gordinhas. Mas não são só elas…eles também! O IBGE no ano passado confirmou que a obesidade é epidemia no nosso país (foram entrevistados 188461 pessoas entre 2008 e 2009)!

Dos dados conclusivos, alguns são positivos como: melhor índice de alfabetismo e menor índice de mortalidade infantil.

Mas quando o assunto vira para o perfil da população, (mesmo a população estando mais alta do que em 1974), olha só:

  • em todas as faixas etárias e de renda, o percentual de pessoas com excesso de peso e obesas aumentou; (rico não come só salada não!!! E quem não tem dinheiro, quando tem, não sabe escolher os alimentos!)
  • das crianças de 5 a 9 anos o sobrepeso atinge 30%;
  • na idade de 10 a 19 anos o sobrepeso atinge 20%;
  • 48% das mulheres e 50,1% dos homens acima de 20 anos estão com sobrepeso;
  • entre os 20% mais ricos , o excesso de peso atinge 61,8% na população de mais de 20 anos;

Continuando nesse ritmo, em dez anos as pessoas acima do peso serão 30% da população. Igual aos EUA. Já pensou?

O agravante é o fato de se trocar a alimentação tradicional (arroz, feijão, hortaliças) por comidas prontas industrializadas.

E ainda que uma pesquisa de 2008 mostrou que apenas 10,2% da população com 14 anos ou mais tem alguma atividade física regular.

Impressionante, não é?

Diante disso, temos que nos conscientizar que uma alimentação saudável é fundamental, assim como a prática de exercícios físicos regulares. E promover a saúde às nossas crianças, para que possam ter um futuro.

Não podemos deixar que a preguiça e a ignorância tome conta da nossa saúde. Não recorreremos a “elas” quando tivermos que correr atrás daquilo que não foi feito!

Motive-se! Esses dados são para chocar mesmo!

Fontes consultadas: IBGE,Veja

Um comentário

Responda

Seu email não será publicado

*